Links da Semana

Reportado por Renato Cobel na frequência Links da Semana

Links da Semana Canal Piloto Links da Semana

Sugestões? Envie o link para nosso e-mail com o assunto “Links da Semana” Você pode mandar links interessantes do seu próprio blog ou site para divulgá-lo

Camisetas Banner 150p Canal Piloto Links da Semana

História das Companhias Aéreas – Capítulo 72

Reportado por Luiz Cláudio Ribeirinho na frequência Artigos

Capítulo 72 História das Companhias Aéreas – Capítulo 72

Localizada na Europa Central, a Polônia tem como sua capital a cidade de Varsóvia, também conhecida como “Cidade Fênix” por haver se reerguido completamente após duas destruições totais, ocorridas nas duas guerras mundiais. Varsóvia é também a cidade onde cresceu o virtuoso pianista Frédéric Chopin, considerado um dos varsovianos mais ilustres – apesar de haver nascido no vilarejo de Żelazowa Wola, e se mudado para a cidade aos sete meses de idade. Além de haver composto obras imortais como a “Polonaise”, Chopin também empresta seu nome ao aeroporto internacional em Varsóvia, porta de entrada na Polônia para viajantes de todo o mundo.

A resiliência da cidade de Varsóvia parece aplicar-se também à companhia de bandeira da Polônia, sediada no Aeroporto Internacional Frédéric Chopin. Estabelecida como uma companhia estatal em 1 de Janeiro de 1929, a LOT Polish Airlines também atravessou as duas guerras mundiais, e permanece em operação até os dias de hoje, sendo uma das companhias aéreas mais antigas em atividade. Seus primeiros voos utilizaram aeronaves Junkers F.13 e Fokker F.VII, em rotas regionais com destino às cidades polonesas de Bydgoszcz e Katowice. Em 2 de Agosto daquele mesmo ano, aconteceu o primeiro voo internacional da companhia, com destino a Vienna, capital da Áustria.

A pior ideia é não ter ideias

Reportado por Eduardo Mateus Nobrega na frequência Artigos

ideia canal piloto A pior ideia é não ter ideias

Durante os não muitos anos da aviação, a ordem do dia sempre foi o avanço e progresso contínuo. Isso levou muitas pessoas a arriscarem novas ideias. Não que isso seja algo ruim, mas é inegável que algumas dessas ideias atrasaram a evolução do voo, pelo menos num primeiro momento. Algumas ideias levaram o homem para rumos diferentes daqueles antes previstos pelos precursores do voo, outra ideias simplesmente o tornaram mais acessível. Mas outros poucos conceitos, esses utilizados até hoje, foram felizes em mudar o que já parecia algo perfeito.

Se eu pudesse citar apenas uma dessas ideias como a pior de todas ao meu ponto de vista particular, seria a conceituação do avião como uma arma. Alguns podem dizer: “O avião hoje é uma arma principal no combate ostensivo de uma nação”. Mas costumo dizer que não há arma que tenha sido criada para combater outra de igual capacidade, ou seja, jamais precisaríamos utilizar o avião como uma arma de defesa se primeiro este não fosse usado como uma de ataque.

Certamente nosso patrono da aviação não ficaria nada feliz em ver onde sua ideia tão brilhante chegou a ser usada. Mas, como toda má ideia, as guerras e conflitos fomentaram fortemente o desenvolvimento das aeronaves, e mostraram mais uma vez a capacidade que o homem tem de se reinventar. Quase toda tecnologia hoje existente em aeronaves comerciais descende diretamente dos caças militares e dos esforços oriundos das guerras. Isso explica muitas coisas, mas não justifica esse infeliz uso do voo.

Os últimos 25 segundos em uma batalha

Reportado por Andrews Claudino na frequência Artigos

Bf109 Canal Piloto Os últimos 25 segundos em uma batalha

Histórias sempre fascinaram todas as pessoas, sejam as dramáticas, as assustadoras, as fictícias ou muitas outras. Nesta que iremos trazer hoje, tentaremos levar o leitor para a pele de um piloto da Segunda Guerra, para sentir toda a adrenalina e a ação que se passavam em meio às explosões a bordo de uma lendária aeronave.

O semi dilacerado Me 109 estava em potência total e tremendo inteiro em seu mergulho profundo a 740 km/h, como se não fosse possível recuperar mais a aeronave. No cockpit, com apenas 19 anos, o Sgt. Piloto Noel Hahnn estava vivendo seus últimos 24 segundos de vida, em um inferno de fogo criado pelas sedentas armas americanas, enquanto os tiros perfuravam a fuselagem de metal do Messerschmitt, Noel estava todo coberto de sangue, com seu braço esquerdo dilacerado.

Desde o momento em que ele decolou com mais três colegas, seu motor apresentava constantes problemas. Era óbvio que ele não conseguiria manter o ritmo com a esquadrilha, e ele duvidava que pudesse chegar ao seu destino. O líder do esquadrão se aproximou dele, gesticulando violentamente de sua aeronave, acenando para que ele voltasse. Mas Noel não poderia fazer nada: ele sabia que seria impossível retornar. Sem contar que, se retornasse, a acusação de covardia iria segui-lo para sempre. Em alguns momentos, os pilotos haviam perdido seus rumos, até enfim localizarem quatro caças inimigos que se aproximavam para interceptá-los.

CMA – Piercing é impeditivo no exame de saúde para Piloto da Aeronáutica?

Reportado por Tatiana Trigo na frequência CMA

Duvidas CMA Canal Piloto CMA   Piercing é impeditivo no exame de saúde para Piloto da Aeronáutica?

Seguindo com nossa série sobre dúvidas quanto ao CMA – Certificado Médico Aeronáutico, vamos responder à pergunta de hoje:

Dúvida

Olá,

Uso piercing na orelha e nariz, gostaria de saber se no exame médico para Piloto da Aeronáutica, isso será motivo de impedimento?

Nossa resposta

No exame clínico geral, serão avaliados pele e anexos, e será considerado incapaz o candidato que apresentar qualquer tipo de aplicativo do tipo “piercing”, localizado em áreas do corpo que fiquem expostas quando trajando uniformes previstos no Regulamento. Portanto, qualquer “piercing” que esteja em desacordo deverá ser removido. No caso de orelhas e nariz, os mesmos estão localizados em áreas que ficarão expostas.

Atenciosamente,

Dra. Tatiana Trigo

Médica Aeroespacial

O leitor de hoje enviou sua dúvida através do nosso e-mail. Você pode fazer o mesmo, caso não encontre a resposta nas perguntas já respondidas.

Dúvida – Posso fazer meu treinamento de PCA em mais de uma escola?

Reportado por Rodrigo Satoshi na frequência Duvidas

Pergunte Canal Piloto Duvidas Formacao Aeronautica Canal Piloto Dúvida   Posso fazer meu treinamento de PCA em mais de uma escola?

Seguindo com nossa série sobre dúvidas quanto à formação aeronáutica, vamos responder à pergunta de hoje:

Dúvida

Boa Tarde prezado!

Minha dúvida é a seguinte para não me estender.

Estou iniciando o PC no aeroclube de SP (teórico), vou fazer as minhas horas práticas no aeroclube de sorocaba,(pois o preço é melhor, o atendimento é excepcional e o alojamento é de graça, embora o pedágio seja criminoso até lá), fiz o PP lá e gostei muito.

O aeroclube de Sorocaba não possui aeronave para MULTI….e o simulador deles eh muito caro (mais caro até mesmo que os da EJ).

Gostaria de saber:

1) Posso fazer o simulador em outro lugar e, abater as famosas 20 horas no prático do IFR em sorocaba?

2) Posso fazer o MULTI e Simulador em outro lugar somando essas horas no total para o PC (e abatendo as horas do simulador)?

3) Posso fazer MULTI + IFR + simulador em outro lugar e fazer somente as horas básicas (navegação, noturno e comando) em Sorocaba.

Basicamente gostaria de saber se há problema em fazer, parte das horas em um lugar e parte das horas em outro lugar.

Agradeço desde já.

Fabio Henrique

São Paulo-SP

Nossa resposta

Fábio,

Você pode, sim, fazer uma parte do treinamento em uma escola, e o restante em outra. Não há problema nenhum, porém você deve conversar com o aeroclube ou escola de aviação onde pretende concluir o treinamento. Verifique se eles podem fazer o cheque do aluno que só fez uma parte do treinamento na escola. Isso acontece porque, hoje, quem faz o cheque de PC-MLTE/IFR é um checador da própria escola, não mais um checador designado pela ANAC.

Outro ponto a ser mencionado: sabendo que o mercado da aviação é instável, os aeroclubes ou escolas de aviação costumam contratar INVAs que fizeram ao menos a formação (toda PC-MLTE/IFR e o INVA) naquela instituição. Por isso, acho importante você pensar nesse detalhe, pois acaba sendo uma alternativa caso o mercado da aviação esteja em um momento de baixa.

Sobre o simulador IFR, ele abate as 20 horas do treinamento IFR, desde que seja homologado AATD.

Atenciosamente,

Rodrigo Satoshi

INVA – Instrutor de Voo de Avião

O leitor de hoje enviou sua dúvida através do nosso e-mail. Você pode fazer o mesmo, caso não encontre a resposta nas perguntas já respondidas.