História das Companhias Aéreas – Capítulo 90

Reportado por Luiz Cláudio Ribeirinho na frequência Artigos

Capítulo_90_Canal_Piloto

Localizada no centro da Europa Ocidental, a Suíça é um pequeno país com pouco mais de oito milhões de habitantes. Suas dimensões, no entanto, podem enganar quem acredite que pequenos países possuem apenas pequenos feitos. A Suíça ocupa as mais altas posições nos rankings mundiais de transparência governamental, liberdade civil, competitividade econômica e desenvolvimento humano. Sua histórica neutralidade armada manteve-a fora de conflitos como as duas Guerras Mundiais, permitindo-lhe atravessar esses conturbados períodos de forma relativamente estável e tranquila. A Suíça, inclusive, é o país de origem da Cruz Vermelha, uma instituição humanitária responsável, entre outras coisas, pelo resgate de feridos em conflitos armados, independente do lado pelo qual esses estejam lutando. Além de produzir os melhores chocolates do mundo, os relógios mais precisos e os tradicionais queijos suíços – famosos mundialmente pelos buracos resultantes do seu processo de fabricação – a Suíça também é conhecida pelo seu sólido e sigiloso sistema bancário, que atrai investidores de todos os países.

A solidez financeira também foi característica da Swiss Air, a linha aérea que voou como companhia da bandeira da Suíça por 71 anos. Não por acaso, a Swiss Air também era constantemente chamada de “Banco Voador”. A companhia foi fundada em 26 de Março de 1931, como uma fusão da Ad Astra Aero e da Balair, companhias de menor porte que, inclusive, tiveram curta existência. Após utilizar os aviões de suas companhias predecessoras, a Swiss Air adquiriu duas aeronaves Lockheed Orion, sendo a segunda companhia aérea européia a adquirir aeronaves americanas, atrás apenas da CSA, a companhia aérea da República Checa.

CMA – Quais as orientações sobre inaptidão por transtorno psiquiátrico prévio e Junta de Recursos?

Reportado por Tatiana Trigo na frequência CMA

Seguindo com nossa série sobre dúvidas quanto ao CMA – Certificado Médico Aeronáutico, vamos responder à pergunta de hoje:

Dúvida

Olá boa tarde,

Estou com sérias dúvidas quanto a continuidade da conquista dos meus objetivos, peço uma orientação por favor.

Tenho 31 anos, e estou querendo mudar de profissão. Sou Policial Militar de MG e infelizmente não me adaptei ao regime e estou pré disposto a mudar de carreira. Em Novembro de 2013, visitei a Escola EJ campo de Itápolis, onde conheci a magnífica estrutura da Escola, que me incentivou a percorrer esse sonho de ser Piloto. Consegui também grandes incentivos, por parte da Diretoria quando passei minha situação particular. Diante, fui orientado a primeiro obter o CMA, quando em Março deste ano, desloquei até ao CEMAL afim de obter o certificado. Fui “não apto” na Psiquiatria por ” Transtorno ansioso não especificado”, momento que fiquei muito supreso por tal diagnóstico, mas também, entendo pois não omiti que havia realizado um tratamento Psiquiatrico de um ano(2013/2014) , finalizado em Fevereiro, com diagnóstico de transtorno Ansioso motivado pelo Stress do serviço, fazendo uso do Fármaco Citalopran 20 mg.

Voltando a entrevista com a Psiquiatra, quando relatei tal situação, a mesma me pediu o laudo médico. Não sabendo que deveria levar, informei que não estava comigo, a médica alterou completamente seu tratamento comigo e disse que caso o resultado não fosse o esperado que poderia entrar com recurso, se negando a passar qualquer informação sobre os testes realizados.

Saindo o resultado, já esperava o “não apto”, e retornei a minha Cidade(Ipatinga – MG), onde procurei o médico que havia me tratado, vale ressaltar que é um dos mais conceituados aqui na Região, expliquei para ele o ocorrido e me forneceu o Laudo com a transcrição do tratamento e afirmando que voltei a minha saúde mental anterior ao ocorrido, sendo o tratamento um sucesso completo. Então, já que por causa do laudo fui reprovado, voltei ao CEMAL após uma Semana e com um “chá de cadeira” de 4 horas, um outro médico me atendeu, com muita rispidez e não passando de 10 minutos a entrevista, abriu a porta e disse para aguardar o resultado. Novamente veio como “não apto”, diante disso retornei a minha Cidade muito entristecido e até preocupado, pois nunca passei por tal situação, mas procurei realizar um Exame completo e detalhado com um dos mais conceituados Psicólogos da Região, onde a avaliação teve duração de duas Semanas. No resultado, que é de 3 folhas, não apareceu nenhum problema, pelo contrário apareceram habilidades que jamais imaginava que possuía. O Psicólogo e o Psiquiatra, que procurei, não compreenderam o porquê do diagnóstico dos médicos do CEMAL. Diante do exposto, efetuei a “juntada” de material e entrei com recurso a JSS (07/05/2014).

Meu medo é de ínciar o curso teórico de PP em Itápolis(com início dia 24/06/2014, já perdi duas turmas) e depois não conseguir o CMA, pois não sei como vai ser a próxima consulta, visto que infelizmente os médico do CEMAL me julgaram com muita “parcialidade”, principalmente a segunda vez que compareci ao CEMAL. Neste momento o tempo não é a meu favor, pois já me desliguei da corporação, sou de outro Estado, e infelizmente tive que me endividar totalmente para adquirir as licenças necessárias no menor tempo possível e assim começar a quitar tais dividas. Portanto peço uma orientação dos senhores(a), com o assunto exposto, pois trata-se de uma mudança radical na minha vida. Conto com a colaboração de vocês. Nos demais, agradeço pela atenção, boa Semana e DEUS os abençoa.

Atenciosamente,

Gabriel Vaz

Nossa resposta

Gabriel,

O recurso é cabível quando é solicitado reexame à ANAC, quando um candidato é reprovado em um exame de saúde pericial, no caso de sentir-se insatisfeito com o julgamento emitido pelo examinador. A ANAC julgará a questão, auxiliada ou não por outros examinadores que não tenham participado do primeiro julgamento, e emitirá julgamento a favor ou contra o recurso. Nos casos de julgamento “não apto”, poderão ser aplicadas as seguintes disposições:

Se a causa geradora de não aptidão não mais existir, o candidato não deverá ser submetido a um novo exame de saúde pericial em grau de recurso, mas sim ao mesmo examinador que lhe tenha julgado “não apto” e demonstrar que a causa de não aptidão não mais existe. Em casos de julgamento não apto por um examinador, e a causa geradora ainda persistir, só poderá se submeter a novo exame de saúde pericial em grau de recurso junto à ANAC.

 No caso da patologia geradora da ” não aptidão”, conforme os requisitos mentais e comportamentais da RBAC67, o candidato não poderá sofrer de nenhum transtorno, que a critério do examinador, possa causar não aptidão repentina. Também não poderá sofrer de nenhum transtorno, e que a critério do examinador ou da ANAC, possam torná-lo não apto ao exercício seguro das prerrogativas da licença para a qual se aplica ou detém. Entre eles estão: os transtornos de humor (afetivos), e transtornos relacionados ao estresse.  Portanto, é realmente aconselhável realizar primeiramente o CMA, pois através do mesmo saberá se pode prosseguir na função para piloto, e dar seguimento ao processo de formação. Mesmo os processos sendo independentes, evitará ter gasto com a formação e depois não ser considerado apto no CMA.

Na avaliação da Junta de Recursos já agendada, através dos relatórios e avaliação realizada, será avaliado se a patologia não será causa de não aptidão repentina e que interfira de alguma forma na segurança de voo. Porém com duas “não aptidões”, a situação ficou mais complicada. Mas como agora você estará com novos relatórios, os mesmos serão avaliados e considerados também.

Atenciosamente,

Dra. Tatiana Trigo

Médica Aeroespacial

O leitor de hoje enviou sua dúvida através do nosso e-mail. Você pode fazer o mesmo, caso não encontre a resposta nas perguntas já respondidas.

Dúvida – Como é a banca para Piloto de Planador?

Reportado por Rodrigo Satoshi na frequência Duvidas

Seguindo com nossa série Pergunte ao Canal Piloto, vamos responder à pergunta de hoje:

Dúvida

Bom dia,

Gostaria de saber sobre o material de estudo para banca de planador, pesquisei na internet algo sobre o assunto mas não encontrei nada muito confiável.

Fiz a banca de PP em agosto e agora quero fazer também a de PPL, pelo o que eu sei a única matéria que muda na banca de PPA é conhecimentos técnicos, mas gostaria de confirmar esta informação, e gostaria de saber se existe algum livro ou material específico de planador (evidente que não tem motores, mas gostaria de saber se em conhecimentos técnicos entra assunto específico de planador).

Obrigado

Matheus Diel Curvelo

Nossa resposta

Matheus,

Perguntei ao meu colega Jan Hesse, que voa planador no Aeroclube Politécnico de Planadores em Jundiaí. Ele me informou que na prova de PPL não cai nada sobre CT, e nem há livro sobre essa matéria. Além disso, a prova de PPL é mais simples do que a de PPA.

O único material que fala sobre o planador nessa área são alguns livros sobre o Voo a Vela. Sendo assim, recomendo que você utilize o mesmo material do PP para a prova teórica de PPL, exceto o material de CT, e leia alguns livros sobre Voo a Vela.

Saiba mais:

Abraços,

Rodrigo Satoshi

INVA – Instrutor de Voo de Avião

O leitor de hoje enviou sua dúvida através do nosso e-mail. Você pode fazer o mesmo caso não encontre a resposta nas perguntas já respondidas.

O mundo dá voltas | Minha Proa: 027

Reportado por Alexandre Sales na frequência Artigos, Minha Proa

Quando divulgamos nosso objetivo em nos tornarmos pilotos, é típico haver pessoas, sejam amigos ou familiares, que são totalmente contra e tentam nos desmotivar a qualquer custo. Mas uma vez que chegamos lá, o cenário muda.

Eu decidi que iria me tornar piloto aos 13 anos de idade, após ter ficado maravilhado com um jogo de combate aéreo que havia comprado para meu então novo computador, o game “B-17 Flying Fortress: The Mighty 8th”. Logo compartilhei minha decisão com os familiares e amigos mais próximos, incluindo os de minha sala de aula do ensino fundamental. Mas infelizmente, a notícia não ficou nesse círculo interno por muito tempo.

CMA – Hiperplasia condilar pode reprovar no CMA?

Reportado por Tatiana Trigo na frequência CMA

Seguindo com nossa série sobre dúvidas quanto ao CMA – Certificado Médico Aeronáutico, vamos responder à pergunta de hoje:

Dúvida

Olá ,

Tenho 17 anos e tenho hiperplasia condilar , porém , já fiz uma operação para a hiperplasia parar de se manifestar . Queria saber se isso pode reprovar no CMA

Nossa resposta

A hiperplasia condilar é uma anomalia de desenvolvimento que ocorre unilateralmente, de causa ainda desconhecida, tendo sido descrito o fator trauma. É diagnosticada quando há crescimento mandibular após cessação do crescimento ósseo, o que ocorre por volta dos 20 anos de idade. Poderá ocorrer deformidade vertical do esqueleto da face, com mordida aberta posterior unilateral, inclinação da borda inferior da mandíbula, diferença entre linhas médias dental e facial. Esse crescimento condilar poderá ser tratado através de cirurgia.

Conforme os requisitos odontológicos da RBAC67, o candidato não deve apresentar deformidades maxilares ósseas, ou de tecidos moles ou dentários, congênitas ou adquiridas, que dificultem a mastigação ou a articulação da palavra. Portanto, o examinador avaliará se após o tratamento realizado, não apresenta alterações que prejudiquem a mastigação e articulação da palavra. Caso atenda estes parâmetros, possivelmente não terá problemas à obtenção do CMA.

Atenciosamente,

Dra. Tatiana Trigo

Médica Aeroespacial

O leitor de hoje enviou sua dúvida através do nosso e-mail. Você pode fazer o mesmo, caso não encontre a resposta nas perguntas já respondidas.