Super Tucano: Finalmente na U.S. Air Force?

posted in: Artigos, Tayly Vieira | 0

A Força Aérea dos EUA selecionou a Sierra Nevada Corporation (SNC) e o A-29 Super Tucano da Embraer para participar de uma demonstração de aviões de ataque leve, em um evento que pode levar a uma aquisição da aeronave brasileira, se as empresas se provarem aptas para um negócio dentro das exigências do  Tio Sam.

O EMB-314 é considerado por muitos o favorito para qualquer programa potencial de registro, pois é a única aeronave de apoio aéreo leve do mundo com um certificado militar  da US Air Force. Foi comprado pelos Estados Unidos para as forças aéreas afegã e libanesa.

Sierra Nevada já começou a treinar dois pilotos da Força Aérea e dois oficiais de sistemas de armamento para operar o Super Tucano, mostrando o quão fácil é manter a aeronave.

Uma vez que eles são qualificados, tanto para operar a aeronave com segurança e empregá-la com todos os sistemas, então serão dadas missões para que a aeronave permaneça no experimento.

Enquanto o avião da Embraer é a primeira aeronave anunciada como parte da demonstração, a Força Aérea vai experimentar também outras opções, para ter uma “ampla avaliação” do potencial do Beechcraft AT-6 e do Textron Scorpion Jet no programa OA-X, incluindo o voo em formação utilizando óculos de visão noturna, entre outras funcionalidades. A Força Aérea também irá avaliar o emprego de armas em apoio aéreo aproximado e inteligência, vigilância e reconhecimento, entre outros perfis de missões.


Combate não tão leve

O A-29 já competiu contra o AT-6 durante a competição de ataque leve da Força Aérea, que terminou com um contrato para SNC e Embraer para fornecer o Super Tucano para a Força Aérea afegã. Infelizmente isso não seria necessariamente uma vantagem para o A-29 durante o OA-X.

Embora a Textron nunca tenha vendido um AT-6 para os Estados Unidos, produziu mais de 1.000 unidades do seu eleito, o T-6, incluindo aqueles que voaram para Forças Aéreas para treinamento de pilotos. É uma aeronave que a Força Aérea já conhece, e que possui inúmeros pilotos que já operaram aeronaves com configurações muito semelhantes.

Mesmo assim, o AT-6 custa aos contribuintes cerca de US $ 3.000 por hora de voo. É mais caro do que os seus concorrentes, como o A-29, que custa cerca de US $ 1.000 por hora de voo para operar. No entanto, ele pode voar mais rápido e mais alto, fornecer capacidade de impasse, e tem espaço adicional e mais energia para sensores mais avançados.


Reta Final

Uma vez finalizado o experimento, caberá à Força Aérea decidir se devem prosseguir com demonstrações de voo adicionais, para iniciar um programa de registro ou arquivar todo o projeto. O Congresso exige que toda aeronave tenha uma certificação da Força Aérea, e isso define se ela continuará ou não no programa, uma vez que a certificação é um processo longo, complicado e caro.

O AT-6 pode demorar menos tempo, já que a Textron está melhor preparada para certificar cada aeronave e iniciar a produção, assim como a Sierra Nevada e a Embraer.

Enquanto isso, o Sierra Nevada A-29 foi atualizado com as especificações da Força Aérea os EUA. Tem novos rádios e ligações de dados compatíveis com os padrões de criptografia da USAF. Também foi configurado com um sensor de 15 polegadas electro-óptico / infravermelho a partir de sistemas FLIR.

O A-29 está a serviço de 13 forças aéreas em todo o mundo, com cerca de 40.000 horas de combate em ambientes de clima hostil como o Oriente Médio, além de ser facilmente reconfigurável. Colocar o Super Tucano em missão não é problema, porque já existe uma linha de produção operando pela Embraer na Flórida, produzindo aviões para o Afeganistão e Líbano.

Porém, o que exatamente a Força Aérea pretende fazer após o experimento OA-X ser concluído, em torno de 20 de setembro, é uma caixinha de surpresas. Mesmo o Congresso apoiando os esforços do OA-X, o orçamento adicional para a compra de 300 aeronaves é de aproximadamente US $ 1,2 bilhões, e a decisão cabe à U.S. Air Force.

O experimento OA-X pode simplesmente acabar em um relatório e não ir muito longe. Alternativamente, ele pode se tornar uma competição formal para adquirir um novo avião. Outra possibilidade é de que a Força Aérea simplesmente decida pedir um número de aeronaves.

Não existe melhor opção do que o A-29 para o treinamento de pilotos e para combate aéreo. Isto significa que os pilotos serão treinados com muito mais rapidez com um custo bem menor, permitindo que outras plataformas façam o trabalho que eles fazem melhor.


Imagens:

Tayly Vieira

Tayly Vieira

Entusiasta de Aviação Militar e acadêmica de Engenharia Ambiental pela UTFPR. Costuma escrever seus artigos sob a sombra da Árvore de Gondor.
Tayly Vieira