Faculdade ou Carteiras: Em Qual Investir?

posted in: Artigos | 2

Faculdade_ou_Carteiras

Hoje vou falar sobre o que é mais importante fazer: a faculdade de Ciências Aeronáuticas/Aviação Civil/Transporte Aéreo, ou as horas de voo. Esse assunto permeia muito a cabeça das pessoas que querem ser pilotos de avião.

Atualmente, existem vários cursos superiores relacionados à profissão de piloto de avião, tais como Transporte Aéreo, Ciências Aeronáuticas e Pilotagem de Aeronaves. Outra faculdade em que a formação se aproxima muito da carreira de piloto é a de Aviação Civil. Ambos os cursos mencionados acima possuem duração média de três anos ou seis semestres, onde o foco é a formação do aluno nas matérias teóricas do PPA, PCA e PLA-teórico, e também, numa maior noção das matérias relacionadas à formação em helicópteros, segurança de voo e segurança contra atos ilícitos, conteúdo que vai dar maior base na formação do piloto. No meu ponto de vista, o único ponto negativo da faculdade é o custo alto das mensalidades, por volta de R$ 700,00 por mês, em valores atuais.

E falando sobre o custo das mensalidades da faculdade, esse fator gera uma grande dúvida: fazer a faculdade com cursos voltados para a formação de piloto, ou tirar as carteiras do PC-MLTE/IFR?

Um curso superior é sempre importante para a formação de um profissional, independente da profissão. Porém, ter as carteiras também é importante. Afinal, hoje não é requisito mínimo ter a faculdade relacionada à aviação para trabalhar como piloto. O indispensável é possuir as carteiras PC-MLTE/IFR e o Certificado de Proficiência em Inglês da ICAO, em nível 4 ou superior. Sem essas licenças, não é possível trabalhar como piloto. Caso você tenha condição de conseguir voar o PP e o PCA, e ao mesmo tempo fazer a faculdade, esta é uma excelente opção.

No entanto, caso seja preciso decidir entre fazer a faculdade ou as horas de voo em algum momento durante o curso, peço que faça uma reflexão: uma faculdade de Ciências Aeronáuticas, Aviação Civil ou Transporte Aéreo abre as portas para que o aluno consiga um emprego em uma companhia aérea, em setores como despacho aeroportuário, check-in e outras posições dentro de uma companhia aérea. Algumas empresas têm o hábito de abrir seleção interna, oferecendo uma promoção para funcionários que queiram trabalhar como pilotos, com requisitos menores do que os exigidos nos processos seletivos externos. Uma estratégia interessante é buscar um emprego próximo da engenharia de voo ou das operações de voo, como por exemplo, trabalhar como despachante operacional.

Um curso que vejo como um excelente caminho é a faculdade de engenharia aeronáutica. Ele abre a possibilidade do piloto trabalhar em um setor com maior estabilidade, que é o departamento de engenharia das empresas aéreas. Esse setor trabalha na avaliação de novos aeroportos e nos cálculos de peso (carga/passageiros) nos voos. Esse curso acaba transformando o piloto em um profissional mais completo, no meu ponto de vista, e com um maior “estabilidade com relação ao emprego”. Além disso, o bacharel em Engenharia Aeronáutica tem a oportunidade de trabalhar em fabricantes de aeronaves, como Embraer, Airbus, Boeing, Bombardier, Cessna ou Beechcraft, entre outros exemplos.

Caso venha a decidir pela faculdade, sugiro que inicie as horas de voo assim que possível. Não acredito que seja a melhor opção terminar toda a faculdade, para depois começar a voar o PPA e o PCA. Penso que o intervalo entre o ensino teórico (faculdade) e o início do treinamento prático faz o aluno esquecer muitas coisas, além de que, com certeza, o aluno terá que fazer novamente o PCA-teórico, pelo fato de ter esquecido os conceitos vistos na faculdade. Além disso, o foco da faculdade é deixar o piloto preparado para o mercado de trabalho, com uma visão geral da profissão, conhecendo áreas pouco exploradas nos cursos teóricos de PPA/PCA e PLA-teórico.

Se por outro lado escolher pela faculdade, tente um emprego dentro de uma companhia aérea, como mencionei acima, para ter a oportunidade de um ingresso mais rápido como co-piloto dessa empresa. Hoje, acredito que trabalhar em uma companhia aérea nacional oferece experiência e curriculum para trabalhar em qualquer companhia aérea no mundo.

Por tudo que falei acima, fazer a faculdade é uma excelente opção, pelo fato de abrir uma porta dentro de uma companhia aérea. Aproveite essa “porta” que muitos buscam, e que hoje é uma excelente oportunidade. No entanto, não deixe para começar a voar próximo da conclusão da faculdade.

Rodrigo Satoshi
Redes

Rodrigo Satoshi

Instrutor de Voo de Avião e professor de curso teórico para Pilotos Privados e Pilotos Comerciais.
Rodrigo Satoshi
Redes
  • João Guilherme

    Fiquei com uma duvida, como vou tirar a carteira e fazer as horas de voo durante a faculdade, no caso a gente faria a prova da ANAC a parte?

    • Paulo Guilherme

      Olá João,
      Tenho um colega que está cursando ciências aeronáuticas no Recife, na Nassau, e tive a mesma dúvida! Mas ele me disse que é assim mesmo, faz a prova da ANAC a parte. No caso a faculdade te ensina todo o teórico necessário que você veria em 3 meses num aeroclube, lá em 3 anos. Espero ter ajudado.